Comunidade Evangélica de

Confissão Luterana em Lajeado
 

SECRETARIA:
Rua Alberto Torres, 297 – Centro
Cx Postal 93 - CEP 95900-188 - Lajeado/RS


Fones: (51) 3714-1825 ou 3710-1081
E-mail: secretaria@ieclblajeado.com.br

© 2019  - Comunidade Evangélica de Confissão Luterana em Lajeado - RS

Projetos e ações

Casa Rosa

O Presbitério da nossa comunidade decidiu firmar parceria com a Liga de Combate ao Câncer e lhe cedeu o prédio da antiga secretaria, localizado na rua Alberto Torres, ao lado da casa pastoral. A casa estava desocupada há muitos meses e deteriorando gradativamente. Considerando a importância de ações diaconais para a IECLB e considerando  que comunidade missionária é aquela que se aproxima das pessoas em suas necessidades, em unanimidade o Presbitério aprovou  firmar esta parceria com a Liga de Combate ao Câncer.  Com a conclusão da reforma e  da pintura do prédio,  as atividades da Liga passam a ser realizadas em seu novo endereço. A Liga  responsabilizou-se por reforma e conservação do prédio, bem como por despesas de água e luz. Assim esta instituição de ação social, tão importante em nossa cidade e região, passa a ter uma sede bem localizada e acessível às pessoas a quem presta auxílio. E a nossa comunidade se sente gratificada ao contribuir para esta obra social e  realizar uma importante obra diacônica em nome da Igreja Evangélica de Confissão Luterana em Lajeado.

 

Aquecendo vidas

“Não se pode dizer a uma pessoa é assim mesmo sua vida vai melhorar”, sabendo que ela não tem o que comer e vestir. Esse é o primeiro princípio da diaconia transformativa. Acompanhe a pessoa na crise e com ela procure solução para os seus problemas e faça isso coletivamente. É um serviço de transformação conjunta de uma realidade injusta, faz parte do ministério e do viver da fé. Não se pode fazer diaconia sem conhecer a  historia das pessoas e se conhece ela visitando, escutando ativamente e  tendo a empatia como ingrediente principal. Jesus não saiu por ai dizendo o que as pessoas deveriam fazer. Ele convidou elas a refletir a transformar a realidade em que elas se encontravam. Ele perguntava pela vontade de Deus. Tem uma história de um gentio – assim eram chamadas as pessoas que não  professavam a mesma fé da outra - que foi conversar com um judeu coordenador de uma escola rabínica dizendo que se este conseguisse falar-lhe toda a lei judaica enquanto o gentio permanecia sobre um dos pés ele se converteria ao judaísmo. O mestre respondeu-lhe que era impossível. Jesus disse que o mandamento, a lei era possível resumir em duas questões básicas: o amor a Deus e ao próximo como a ti mesmo. Assim estaríamos cumprindo toda a lei. Quando estamos diante de determinadas situações na vida, nem sempre vamos encontrar a resposta na  Bíblia, ela não é um livro de receitas, ela possui o ingrediente. Este  chamamos de amor – substantivo que devemos transformar em verbo – amar. Jesus nos oferece este princípio e por causa dele,  Jesus foi acusado, maltratado, malfalado, maldito e morto – É UM DESCUMPRIDOR DA LEI! Trazemos, como luteranos e luteranas, este princípio hermenêutico que podemos levar a sério no nosso modo de ler a Bíblia e de viver a fé. O grupo AQUECENDO VIDAS quer mobilizar mulheres e empoderá-las para que sejam produtoras e doadoras de vida através do amor. Mulheres que muitas vezes estão recolhidas em suas casas, que não encontram sentido naquilo que fazem; no AQUECENDO VIDAS têm sua auto-estima resgatada, se sentem valorizadas, resgatam aprendizados, criam vinculação e perpetuam a consciência e a importância do grupo. Nas visitas de entrega dos materiais confeccionados temos a oportunidade de conhecer a história das pessoas, de ouví-las, de acolhê-las como são e se permitir amar por elas e transformar por elas. A cada visita saímos mais motivadas e empoderadas sabendo que este trabalho é uma obra de misericórdia e designação do próprio Deus.


“Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver. Então os justos lhe  responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te? E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.” Mateus 25.35-40

 

Campanha Vai e Vem

Com fé, gratidão e compromisso, a Comunidade Evangélica de Lajeado participa anualmente da campanha nacional de ofertas para a Missão Vai e Vem. Os cofrinhos, os envelopes, as doações espontâneas e o chá comercial, promovido pelo grupo de diaconia são as ações realizados dentro do Projeto em Lajeado.

Quem, pela fé, se engaja na Missão de Deus, está sob a sua bênção: Felizes as pessoas que trabalham pela paz, pois Deus as tratará como seus filhos (Mt. 5.9). 

https://www.youtube.com/watch?v=-9HqUHr-zoc&feature=youtu.be

 

Brechó Priscila

O Grupo OASE Priscila é  responsável pela organização e realização do Brechó mensal da Comunidade, que ocorre na primeira quinta-feira do mês, em sala do antigo prédio do CEAT. Nesta atividade, são realizadas várias horas de triagem, separação e organização de roupas, calçados , bazar e móveis, recebidos em doação dos membros da Igreja e da comunidade de Lajeado. O propósito deste trabalho é realizar a venda das doações por um preço simbólico, de forma a permitir que, com esta  arrecadação, auxiliar entidades de assistência social  e a própria Comunidade Evangélica em melhorias e serviços aos membros.

 

Projeto de Apoio à Integração de Imigrantes

Foi idealizado em setembro de 2015, em uma reunião de membros e lideranças da IECLB no Sínodo Vale do Taquari, quando foi oferecida a possibilidade de criação de um projeto para ajudar na integração dos imigrantes que começavam a chegar no Vale do Taquari. A IECLB possui alguns recursos para estes fins, de apoio a projetos sociais. O projeto foi  encaminhado e aprovado pelo período de um ano, com início em Janeiro de 2016, contemplando várias atividades, entre elas uma oficina de Capacitação sobre Fluxo Migratório com representantes da IECLB, do CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs), da REJU (Rede Ecumênica de Juventude), do Dr. Alexandre Scherer, advogado voluntário que presta apoio jurídico ao projeto e de aproximadamente 200 imigrantes de diversas nacionalidades, em maior número haitianos. Além desta oficina, houve ajuda para aquisição de instrumentos musicais para as cerimônias religiosas, frequentadas por boa parte dos imigrantes da cidade. Alguns eventos não puderam ser realizados devido a enchente, e por ser ano eleitoral, quando existiam restrições sobre algumas atividades. No ano seguinte, o projeto foi autorizado a continuar e foi produzido um documentário sobre imigrantes em Lajeado. Também foi realizado um curso para Garçons para 18 imigrantes em parceria com o Senac, onde todos receberam certificação válida em todo o território nacional.


Em 2019, ocorreu um curso de Língua Portuguesa para Estrangeiros, novamente em parceria com o Senac. Estão previstos ainda para este ano: Curso de Boas Práticas em Manipulação de Alimentos através do Senac, curso mais aprofundado de Português para Estrangeiros, auxílio financeiro para tradução juramentada de documentos (identidade, registro de nascimento, habilitação para motoristas e possíveis diplomas obtidos no país de origem). Também está prevista uma Roda de Conversa com Jovens para falarem sobre possibilidades profissionais em Lajeado. Passam por este processo aproximadamente 3 mil pessoas, pois existe a incidência indireta na população alvo. Também está sendo ofertado para imigrantes e lajeadenses com uma verba obtida pelo CONIC (Conselho Nacional de Igrejas) a prática esportiva de Karatê para crianças e adolescentes da Escola Fernandes Vieira (imigrantes e lajeadenses). A atividade ocorre no turno inverso ao período escolar. O instrutor voluntariamente cede o espaço e as aulas para os jovens que ocorrem duas tardes por semana.Todos  os participantes do projeto são voluntários.