Comunidade Evangélica de

Confissão Luterana em Lajeado
 

SECRETARIA:
Rua Alberto Torres, 297 – Centro
Cx Postal 93 - CEP 95900-188 - Lajeado/RS


Fones: (51) 3714-1825 ou 3710-1081
E-mail: secretaria@ieclblajeado.com.br

© 2019  - Comunidade Evangélica de Confissão Luterana em Lajeado - RS

MEDITAÇÕES

A Palavra de Deus é a relíquia das relíquidas, a única, na verdade, que nós, cristãos, reconhecemos e temos. (MARTIN LUTERO)

Os desgostos de Agosto

O mês de agosto tem lá a sua fama. É conhecido como o mês do “desgosto” e do azar. É difícil determinar exatamente a origem dessa tradição. Crendices e superstições foram criadas em torno dele.

Os romanos homenagearam o seu primeiro Imperador, Caio Júlio César Octaviano Augusto, com o oitavo mês do calendário gregoriano, que antes se chamava “sextilis”. Octaviano morreu em 19 de agosto de 14 d.C. O seu reinado foi o mais longo e durou 41 anos. “Augusto” significa sublime, elevado, consagrado. Sendo assim, por que se evitam, por exemplo, casamentos nesse mês, especialmente as mulheres portuguesas? De onde vem o desgosto de agosto?

A fama do mês de agosto é muito antiga. Os próprios romanos deram início a ela. O verão, na Europa, tornava a constelação de leão mais visível no período de agosto. Eles acreditavam que se tratava de um grande dragão cuspindo fogo pelos céus.

“Casar em agosto traz desgosto” também é um ditado ligado ao verão na Europa. No período das Grandes Navegações, os portugueses costumavam partir para as longas e difíceis viagens, de meses e até anos, nessa época. O retorno dos marinheiros recém-casados não era garantido. O receio das mulheres era ficar sozinha e viúva.

Agosto também tem a fama de “mês do cachorro louco”. No Brasil, é um período em que os cachorros contraem com mais facilidade a raiva. O aumento da “loucura canina” no mês de agosto pode ter uma explicação no cio das cadelas, aumentando a violência entre eles.

Além disso, alguns fatos históricos de relevância mundial ajudaram a aumentar a sensação de desgosto do mês de agosto. Vejamos alguns:

- No dia 24 de agosto de 1572, na França, no dia de São Bartolomeu, teve início o massacre aos huguenotes, que durou meses, vitimando quase 100 mil protestantes franceses.

 

- No dia 1º de agosto de 1914 teve início a Grande Guerra (1ª Guerra Mundial).

- Em agosto de 1939 teve início a 2ª Guerra Mundial.

 

- Nos dias 6 e 9 de agosto de 1945, Hiroshima e Nagasaki, respectivamente, foram destruídas por bombas atômicas.

 

- No Brasil, o então presidente Getúlio Vargas, no dia 24 de agosto de 1954, renunciou ao cargo e à vida.

​​

Não há nenhum fenômeno sobrenatural influenciando esse mês. Outros meses do calendário também têm os seus próprios desgostos e azares.

 

Medo e ignorância a respeito de fatos históricos e fenômenos da natureza frequentemente levaram o ser humano a formulações de crendices e superstições. Esse é o caso do mês de agosto.

É claro que as estações do ano, a lua, o sol, nossas condições sociais, experiências pessoais e até o estado de saúde física e mental influenciam o comportamento das pessoas e criam certos hábitos. Isso não é um problema em si. A coisa complica quando as pessoas se tornam reféns deles e ficam quase paralisadas em suas ações, com medo e receio de desgosto e azar. Tal dia não fazem isso e tal mês não fazem aquilo.

Aqui cabe lembrar as palavras de Jesus: “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará.” (João 8.32). Buscar a verdade, conhecê-la e libertar-se daquilo que escraviza é tarefa do cristão.

P. Luis Henrique Sievers