Comunidade Evangélica de

Confissão Luterana em Lajeado
 

SECRETARIA:
Rua Alberto Torres, 297 – Centro
Cx Postal 93 - CEP 95900-188 - Lajeado/RS


Fones: (51) 3714-1825 ou 3710-1081
E-mail: secretaria@ieclblajeado.com.br

© 2019  - Comunidade Evangélica de Confissão Luterana em Lajeado - RS

MEDITAÇÕES

A Palavra de Deus é a relíquia das relíquidas, a única, na verdade, que nós, cristãos, reconhecemos e temos. (MARTIN LUTERO)

Fé. O que é isso?

Fé é combustível para a vida do ser humano. Ela é confiança para quem se põe a caminho. É energia que torna real o que no princípio era apenas um sonho. Concede forças para enfrentar os obstáculos. Resistência e perseverança diante das tempestades. Ela nos compromete com algo pelo qual vale a pena viver e morrer. Fé é componente essencial da vida. Sem ela, o ser humano não sai do lugar, não caminha em direção alguma. Abrão, o “pai da fé”, segundo os textos bíblicos, partiu da sua cidade natal só com uma promessa: “— Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa do seu pai e vá para uma terra que eu lhe mostrarei. Os seus descendentes vão formar uma grande nação. Eu o abençoarei, o seu nome será famoso, e você será uma bênção para os outros.” (Gênesis 12.1-2).

Fé tem seu objeto de desejo. Está direcionada para algo ou alguém. Ela se orienta pelo seu tesouro. Dele se alimenta. É preciso se perguntar “fé em quê”?

 

Jesus sabia disso muito bem. Alertou para o perigo de ter como objeto da fé tesouros passageiros. Ele instruiu os seus discípulos dizendo: “Pois onde estiverem as suas riquezas, aí estará o coração de vocês”. (Lucas 12.34) Que promessas perseguimos? Que tesouros buscamos na vida? Depois de alertar que a vida é mais do que comida e bebida, bens materiais, Jesus pede aos seus discípulos que “ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus, e Deus lhes dará todas essas coisas.“ (Lucas 12.31)

Biblicamente falando, fé é dom de Deus (Efésios 2.8). Não se deixa desenvolver em laboratório nem ser comprada no comércio. Porém, pode ser despertada: “Portanto, a fé vem por ouvir a mensagem, e a mensagem vem por meio da pregação a respeito de Cristo” (Romanos 10.17). Falar de Jesus e de seus feitos tem como objetivo despertar a fé de cunho cristão nas pessoas. É a fé que faz discípulos, pessoas dispostas a seguir o caminho que Jesus trilhou. Ela é mais do que uma esperança. É uma certeza: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem.”(Hebreus 11.1)

Embora a fé cristã seja dom de Deus, o seu conteúdo pode ser ensinado e aprendido desde a mais tenra idade. O menino Jesus se aplicou aos conteúdos da fé, “enchendo-se de sabedoria”. Com doze anos ouvia e questionava os doutores da Lei do seu povo. Seu interesse e inteligência impressionavam os que o ouviam. (Lucas 2.39-52) Certamente Jesus contou com o incentivo e envolvimento dos seus pais nesse processo de aprendizagem. A família é muito importante nessa primeira fase de assimilação de conteúdos da fé: “Guardem sempre no coração as leis que eu lhes estou dando hoje e não deixem de ensiná-las aos seus filhos. Repitam essas leis em casa e fora de casa, quando se deitarem e quando se levantarem.”

(Deuteronômio 6.6-7) Maria e José sabiam que é no convívio familiar que se dão os primeiros passos sobre assuntos da fé. Contar os feitos libertadores de Deus na história do povo desperta e alimenta essa fé.

Depois de adulto, Jesus não se descuidou da tarefa de ensinar os seus próprios discípulos. Essa era, pois, a função de um mestre: “— Venham comigo, que eu ensinarei vocês a pescar gente.” (Marcos 1.17) O evangelista Mateus dá bastante ênfase ao aspecto do ensino dos conteúdos da fé (Mateus 28.19-20). Os discípulos de Jesus receberam a tarefa de ensinar as pessoas a respeito das promessas de Deus. A Igreja tem o compromisso de ajudar as pessoas nesse processo de “aprendizagem, testemunho e vivência de sua fé” (Subsídios sobre o Ensino Confirmatório e a Confirmação. Editora Sinodal, 1988, p. 9) Igreja é a escola da fé e da vida. Sua tarefa é repassar valores cristãos fundamentais para a promoção e preservação da boa criação de Deus.

 

P. Luis Henrique Sievers