Comunidade Evangélica de

Confissão Luterana em Lajeado
 

SECRETARIA:
Rua Alberto Torres, 297 – Centro
Cx Postal 93 - CEP 95900-188 - Lajeado/RS


Fones: (51) 3714-1825 ou 3710-1081
E-mail: secretaria@ieclblajeado.com.br

© 2019  - Comunidade Evangélica de Confissão Luterana em Lajeado - RS

MEDITAÇÕES

A Palavra de Deus é a relíquia das relíquidas, a única, na verdade, que nós, cristãos, reconhecemos e temos. (MARTIN LUTERO)

Os sonhos da pessoa acordada

Foi assim que o filósofo grego Aristóteles definiu a esperança: como um “sonho do homem acordado”. É, ao mesmo tempo, uma insatisfação com o presente e um olhar para o futuro, ansioso por dias melhores. É aguardar o que ainda não se vê, mas pode se tornar real a qualquer momento. É consolo que ajuda a suportar os sofrimentos do presente e combustível para trabalhar pelo futuro que se sonha. Assim é a esperança. A experiência popular ensina que “a esperança é a última que morre”. Mas quando isso acontece, acabam-se os sonhos e ficamos presos ao presente.

O ser humano necessita de horizontes de esperança. O apóstolo Paulo menciona a esperança como uma das três virtudes cristãs, junto com a fé e o amor (1 Coríntios 13.13).

 

Essas três virtudes devem permanecer com o cristão todos os dias. Unidas, elas dão força e direção à vida.

A esperança cristã, no entanto, tem sua origem no próprio Deus, nas suas promessas. Ela permite que a pessoa enfrente o que há de vir com confiança, seguro dos seus cuidados.

“ _Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa do seu pai e vá para uma terra que eu lhe mostrarei. Os seus descendentes vão formar uma grande nação. Eu o abençoarei, o seu nome será famoso, e você será uma bênção para os outros.” (Gênesis 12.1-2) Essa foi a promessa de Deus a Abraão. Palavras de esperança que o motivaram a caminhar.

Também foram palavras de esperança que animaram Moisés e o povo escravo: “Então o Senhor disse: — Eu tenho visto como o meu povo está sendo maltratado no Egito; tenho ouvido o seu pedido de socorro por causa dos seus feitores. Sei o que estão sofrendo. Por isso desci para libertá-los do poder dos egípcios e para levá-los do Egito para uma terra grande e boa. É uma terra boa e rica.” (Êxodo 3.7-8)

É com palavras de esperança, de promessa de dias melhores, que Jesus motiva os seus ouvintes no Sermão do Monte: os pobres herdarão o Reino, os que choram serão consolados, os humildes receberão o que Deus tem prometido, os que têm fome e sede de justiça serão saciados, os misericordiosos experimentarão misericórdia, os de coração puro verão a Deus, os que promovem a paz serão tratados como filhos dele e os perseguidos e caluniados por fazerem a vontade de Deus terão uma grande recompensa (Mateus 5.3-10).

É a ação salvadora de Deus na vida das pessoas e na história humana que desperta a esperança e a confiança em tempos melhores.

 

Ela nos autoriza a sonhar acordados. As promessas de Deus se realizarão na forma e no tempo escolhidos por ele, não por nós.

A nós cabe botar a “mão no arado” e não olhar para trás (Lucas 9.62) O Reino de Deus está à frente. Faz parte do horizonte de esperança na direção do qual caminhamos. A maior qualidade da esperança não é fazer sonhar com o futuro. Mas essa estranha capacidade de nos libertar do presente e fazer caminhar na direção do horizonte, na direção daquilo que se sonha. 

 

P. Luis Henrique Sievers